quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Fui.

Então!
Tô voltando, só pra dizer que não volto mais.
Tudo que está nesse blog hoje faz parte do ontem, e é por isso que não entro, nem leio mais nada dele.
Loogo, concluo que não há mais a necessidade de mexer nele.
"Está tudo morto e enterrado agora".
Tô criando meu novo Blog (:
Se quiser, só pedir.
Vou-me embora para Pasárgada.
Beijomeliga.

domingo, 18 de julho de 2010

Cílios

Duas coisas:
"Festa estranha com gente esquisita..
Eu não tô legal, não aguento mais birita!
E a Monica riu, e quis saber um pouco mais sobre o boyzinho que tentava impressionar..."

e

"Não que eu goste de sofrer, mas já deu pra perceber...
Que no jogo, quem perde, quando ganha se diverte!
Problema você tem, problema eu tambem, todo mundo tem problema, e tudo bem!"

Vendo positividade em tudo!
=)

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Sozinha nesse mundo.

"Cuida de mim enquanto não esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo que sou quem eu queria ser
Cuida de mim enquanto não me esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo, enquanto fujo
Basta as penas que eu mesmo sinto de mim
Junto todas, crio asas, viro querubim
Sou da cor do tom, sabor e som que quiser ouvir
Sou calor, clarão e escuridão que te faz dormir
Quero mais, quero a paz que me prometeu
Volto atrás se voltar atrás assim como eu"

Maior abandonada

Não, eu não queria ser obrigada a voltar a escrever.
Você sempre foi o meu pior porre.
E eu quero vomitar tudo que tá aqui dentro sobre você.
E quero amanhã acordar de ressaca, e não lembrar de absolutamente nada!
(Deus, por favor, me atende só dessa vez?)

Eles se conheceram pela internet.
Uma vez, ele se internou para uma cirurgia. Ela ligou, preocupada, querendo saber como ele estava.
O celular estava desligado, ela deixou um recado na secretária eletrônica.
Já era madrugada, e o telefone tocou:
-Alô, boa noite, poderia falar com a Sandra?
-Sou eu mesma, quem deseja?
-Olá Sandra , queria saber o que você é do André...
-Namorada, por que? Ele está bem? É do hospital?
-Ele tá bem Sandra, tudo bem.
-E você, quem é?
-Por uma incrivel coincidência, eu também sou a namorada dele.

Trocaram e-mails, telefones e decidiram se encontrar.
Descobriram as duas todas as mentiras, enrolaçoes, e todo o blá blá blá de um mentiroso.
Porém, como duas mulheres inteligentes, decidiram por fim a tudo aquilo: uma marcou de encontra-lo no shopping para almoçar, e claro, a outra estaria lá para juntas, desmascararem o filho da mãe.
No shopping, a outra menina disse tudo o que sentia, pensava, e deixou claro que não queria mais nada com ele. Minha mãe deu a chance para ele se explicar, e como não conseguiu aprender com meu pai que "quem mente uma, mente 2, 3..e quem trai uma, trai 2, 3...", decidiu perdoa-lo. Disse compreender seus motivos, e logo em seguida me ligou.
"Alô, filha? Oi, tá tudo bem..Ele me explicou toda a situação..Mas sabe, ele gosta de mim..E nós vamos tentar de novo..Filha, vem almoçar com a gente..Depois nos três podemos ir juntos pra casa".
Pára o mundo que eu quero descer.
Eles voltaram, e terminaram, e voltaram, e terminaram.
Descobrimos que ele não trabalhava onde dizia, ele mentiu.
Descobrimos que ele não passou para nenhum concurso publico, e que as datas que ele dizia estar fazendo cursos para seu novo emprego eram datas que ele viajava com outra, isso, admitido e ouvido pela minha mãe pela própria outra.
Descobrimos declaraçoes para outras no orkut deixadas pelo meu computador, nas datas em que ele estava aqui.
Lemos no orkut dele: "aprendi com os relacionamentos anteriores, que mulher é tudo igual, só muda o gemido", e que ele ainda não tem par perfeito, na hora certa, Deus trará.
Ah! E consta que ele é solteiro.
Soubemos das agressoes dele, e de todas as ofensas a ela e a toda a familia.
E tem fotos dele com outras, em viagens e tal..Mas tambem tem depoimentos e fotos bloqueadas.
Ele não pode sair com ela em lugares publicos, não pode tirar fotos com ela, não podem ter fotos juntos na internet, não permite que minha mae use o celular no fim de semana e tambem desliga o telefone fixo daqui de casa.
Ele chama meu avô de "lesinho".
Não permitia o convivio da minha mãe com o resto da familia.
Ele diz barbaridades pra minha mãe que eu sinto vergonha em repetir, e a agride fisicamente de um jeito que me revolta.
Descobrimos o suficiente para cair a ficha de uma mulher, e ela terminar definitivamente.
Mas aí, eu viajei.
Quando voltei, ele estava morando aqui.
Ele já se sentia o dono da casa, ligava o computador sem pedir no meu quarto, a música no maximo o dia todo, suas arrogancias, grosserias e palavroes eram ditas em maximo volume.
Andando de cueca pela casa, fazendo xixi de porta aberta.
Já disse em parte aqui em cima o que aconteceu..
Um dia, meu avô muito preocupado comigo e com a minha mãe, aproveitou que ela saiu, e veio conversar comigo.
Conversei com ela, transmiti tudo o que ele disse, contei tudo pra ela sobre uma certa noite, e então ela decidiu terminar com ele.
Meu avô sorriu, todo bobo, e disse "Pelo amor de Deus filha, nós nao aguentamos mais, que seja a ultima vez".
Minha mãe, durante esses 2 meses surtou.
Foi a mãe mais foda, mais inteligente, mais perfeita, radiante, bonita, de todos os tempos.
Minha madrinha e padrinho ouviram ela noites e noites seguidas, e a ajudaram de todas as formas que puderam.
Nossa familia se solidificou.
Forte, unida, coisa bonita de ver.
Eu conversava deitada de conchinha madrugadas e madrugadas.
Ela virou minha melhor amiga, e eu a dela.
Enquanto isso, ele ligando, insistindo, querendo ve-la e comprar com viagens.
Ela humilhava ele pelo telefone, e deixava claro pra todos o quanto sentia arrependimento e nojo por aquele homem.
Numa doite dessas que nós temos chamado da "minha fase de freneticidade e pouco sono", cheguei pela manhã em casa de mais uma festa, e estava indo dormir.
Fiquei sentada na cama, meio alcoolizada, pensando o quanto tudo parecia dar tão errado e tão certo ao mesmo tempo.
Virei e a vi dormindo, e eu agradeci a Deus por ter me livrado de certas coisas, e ter me proporcionado outras tão maravilhosas.
Não meus novos sorrisos, minha nova vida, minha nova alegria, meus novos amigos, mas pela minha nova mãe.
Eu sorri e ouvi ela dizer "Filha, você tem um cheiro doce tão bom" e tornou a roncar.
Apaguei!
Acordei 2 horas depois com a porta abrindo, ela se arrumando e dizendo:
-Ele tá no portão, quer ouvir de mim que eu não o quero mais. Então eu vou dizer!
Respirei fundo.
Eu sabia.
Colocar brincos e se perfumar pra dispensar um cara não faz sentido.
Eu segurei a mão dela e pedi:
-Não vai, por mim.
-Eu só vou dispensa-lo, fica tranquila.
E foi.
Uma hora.
Duas horas.
Sentei no sofá, e esperei.
A porta abriu, e ela de cabeça baixa só repetia "eu o amo e vou dar uma chance pra ele".
Foi arrumar as malas, e sumiu.
Eu gritei:
Corna! Filha da puta! Burra! Se vende fácil e barato!
Sai por essa porta, mas quando voltar não fala comigo.
Cuida da sua vida e eu da minha, cada um na sua.
Não me dirija mais a palavra!
Tá me trocando por um mentiroso e tarado..
Tá destruindo a relaçao linda de amizade que nasceu entre a gente!
Entre um homem e sua filha, você escolheu ele!
Não aprendeu nada com meu pai ne?
Vai terminar velha, burra, corna, e sozinha!
Pq eu nao fico mais do seu lado, nem nossa familia!

O circo estava armado.
André na rua sendo ameaçado pelos meus dois padrinhos e pelos meus primos.
Minha avó tendo crises do coraçao aos prantos.
Minha madrinha tentando conversar com minha mãe.
E meu coração foi partido, quando meu avô me abraçou, e chorou.

Nada, nada mais poderia ser feito.
Ela foi na rua, e na frente de todos desmentiu tudo o que tinha nos dito esses dois meses, pelo simples fato de querer ficar com ele, mesmo tendo que engolir tudo.
Ficamos parecendo todos mentirosos.
Todos para suas casas, e ela fingindo ser uma adolescente feliz em busca do amor.
Meu avô e eu conversamos tanto, aos prantos.
Conheci meu avô em um dia o que duvido que ninguém jamais tenha conhecido.
E foi naquela tarde, que ele curou meu coração.
Estranho explicar, mas tudo ficou tão bobo, tão pequeno, perto de tudo isso...
Meu padrinho teve um derrame...Tá mal...
Nossa família tá muito doída, muito machucada.
Meu pai quer que eu vá pra São Paulo, morar la.
Estamos conversando sobre, afinal deixo tudo pra trás.
Já que ela disse que "nós nao aguentamos ver ela feliz aqui? tudo bem..ela arruma as coisas e vamos morar com o andré". Vamos! haha.
Minha mãe mais uma vez foi embora esse fim de semana, e avisou que só volta na segunda.
Estranho você perder todo seu respeito e admiraçao pela sua mãe, não ter nenhum respeito e admiraçao pelo seu pai.
Ninguém me falou dessa coisa de "boa estrutura familiar".
Boa? Estrutura? Familiar?
Eu ri!
Alguém cantou pra mim hoje:

"Eu tô perdido
Sem pai nem mãe
Bem na porta da tua casa
Eu tô pedindo
A tua mão
E um pouquinho do braço

Migalhas dormidas do teu pão
Raspas e restos me interessam
Pequenas porções de ilusão
Mentiras sinceras me interessam
Me interessam...

Eu tô pedindo
A tua mão
Me leve para qualquer lado
Só um pouquinho de proteção
A um maior abandonado

Teu corpo, com amor ou não
Raspas e restos me interessam
Me ame como a um irmão
Mentiras sinceras me interessam"

"Paz, eu quero paz!"
E sempre acho que quando eu não consigo mais chorar é que as coisas ficaram complicadas.
Preciso de você.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

"...Mas se eu tivesse ficado, teria sido diferente? Melhor interromper o processo em meio: quando se conhece o fim, quando se sabe que doerá muito mais — por que ir em frente? Não há sentido: melhor escapar deixando uma lembrança qualquer, lenço esquecido numa gaveta, camisa jogada na cadeira, uma fotografia — qualquer coisa que depois de muito tempo a gente possa olhar e sorrir, mesmo sem saber por quê. Melhor do que não sobrar nada, e que esse nada seja áspero como um tempo perdido.
Tinha terminado, então. Porque a gente, alguma coisa dentro da gente, sempre sabe exatamente quando termina.
Mas de tudo isso, me ficaram coisas tão boas. Uma lembrança boa de você, uma vontade de cuidar melhor de mim, de ser melhor para mim e para os outros. De não morrer, de não sufocar, de continuar sentindo encantamento por alguma outra pessoa que o futuro trará, porque sempre traz, e então não repetir nenhum comportamento. Ser novo..."

Por que o Caio sempre me entende?

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Eu supero rápido.

Acho que a melhor descrição de mim agora seria: feliz paracaraleo.
Não choro mais, não sofro mais.
Essa sensação de liberdade estranha.
Esses sorrisos à toa.
No inicio, foi meega dificil.
Depressão, tratamento, sedativo, remedios, remedios, remedios.
Quilos a menos e dores de cabeça a mais.
"Todo amor é eterno, se acabou, não era amor".
Nelson Rodrigues me entende!
Metaforicamente falando:
Tinha um quadro na parede, pelo qual você passava, via que estava torto, e o arrumava.
Passava de novo, e lá estava ele torto.
Trocaremos a moldura, que tal?
Ótimo.
Dia seguinte, eis o quadro torto novamente.
Depois de insistentes tentativas, você desiste de o arrumar.
E acaba se acostumando com ele lá.
"Mas o habito, o habito anestesia"
Acabou o amor, o que eu sentia era um costume de te ver sempre lá.
O medo de tirar o quadro da parede e ficar um vazio ali na parede.
De fato ficou.
Por uns dias, semanas, um mês?
A preguiça fazia fechar os olhos, deixar de lado o trabalho de subir na cadeira, despregar da parede, carregar aquele peso pra tira-lo de lá.
Deixa, quieto, não faz mal a ninguem.
Ô se faz!
Mas sabe que tem outros quadros?
Maiores, mais coloridos, mais interessantes.
Que você gosta, admira, te fazem bem só de ficar olhando, e você fica louca pra levar pra casa.
:)

Estufo meu peito com a maior alegria: Não te amo mais. Nem um tiquinho.
Como eu havia dito, amor: Tudo vai passar, até você.
Hoje, substituo esse 'até você' por 'principalmente você'.
Pior é sentir sinceridade nisso, é saber que passou. Acabou.
Doeu no começo, mas sabe que agora vejo que você é pra mim tanto quanto eu fui pra você.
O que tenho ouvido, há cinco anos, deles, faz todo sentido hoje.
Eu vejo o que foram esses cinco anos.
E ouvi algo do tipo
"Eu trabalhei no disney on ice amor, todos os principes encantados são boiolinhas! gaays!"
"Confesso que até hoje só conheci dois sinônimos perfeitos: nunca e sempre."
É, principe virando sapo deve ser comum por ai.
Tô me ocupando bem, e sem paciencia de escrever tambem. hahaha.
Cineminha ontem, estourar fatura do cartão de crédito, comer feito gordinha tensa sem culpa.
Vida perfeita, completa, plena.
Tô feliz.
MUITO!

Ficou dificil, tudo aquilo, nada disso
Sobrou meu velho vicio de sonhar!
Pular de precipicio em precipicio, ossos do oficio...
Pagar pra ver o invisível e depois enxergar
Que é uma pena, mas você não vale a pena, não vale uma fisgada dessa dor.
Não cabe como rima de um poema, de tão pequeno.
E é pra não ter recaída que não me deixo esquecer
Que é uma pena, mas você não vale a pena, não vela uma fisgada dessa dor...

and

Não, eu não lamento naada!
Não, nada de nada.
Não, eu não lamento nada
Nem o bem que me fez, nem a dor
Tudo isso é indiferente.

Não, eu não lamento nada.
Não, nada de nada
Está pago, varrido, esquecido
Eu me lixo para o passado.

Com minhas recordações, eu acendi o fogo
Minhas aflições, meus prazeres
Eu não preciso mais deles

Varridos meus amores, com seus tremores
Varridos para sempre, eu recomeço do zero!


Que sensação é essa?
"Liberdade é pouco. O que desejo ainda não tem nome!"
Em paz, comigo e com o mundo, enfim.
Valeu Tchagaum, por passar por mim. ;)
Mas hoje, levo você pra o lugar aonde você pediu pra ir: ao meu passado, já!
E bom, que fique por lá.
;)

domingo, 6 de junho de 2010

Anjo.

Voltei ao mundo.
Hoje, conectei e vi você tirando minhas fotos do seu orkut.
Tirei suas fotos também.
Vou tirar os depoimentos.
Te tirar da minha vida, e de mim.
Fez um mês que acabou.
E tudo vai passar.
Até você.

.
Fez também um mês que a minha Pretinha morreu.
E vou homenagear, com uma música que eu cantava e ela rebolava =)
"Pretinha
Faço tudo pelo nosso amor
Faço tudo pelo bem de nosso bem, meu bem...
A saudade é minha dor
Que anda arrasando com meu coração"
Sinto sua falta Preta.
.
Fui diagnosticada com depressão aguda, talvez distimia.
Você me apresentou novos amigos, que tem cuidado bem de mim: os chás de camomila, sedativos, daforin e lexotan.
Obrigada pelos quilos perdidos, pelas 16 horas de sono diárias, pelas olheiras, falta de fome, cortes enlouquecidos nos pulsos que só fizeram sangrar, e não levaram a lugar nenhum (nem na horizontal, nem na vertical).
Acho que só ele não entendeu que ele não precisava entrar na minha vida para estraga-la.
As coisas sempre foram assim, e seriam assim sozinhas, sem maiores esforços.
Mas bom, parece que ele quis dar um 'empurrãozinho', sabe?
Uma forçinha pra Deus, que continua sendo super generoso comigo.
;)
.

Hoje, relembrei uma conversa, e a postei no orkut.
Aqui vai:
"- Sabe, eu queria te agradecer...
- Ah é? Pelo quê?
- Pelos seus problemas.
- É uma piada? Por que você agradeceria a 'ISSO'? oO
- É por que, graças a você ter tido toooodos eles, é que você se tornou o que é hoje. Essa força que a gente não sabe explicar de onde vem. Essa fé, que apesar de tudo que você ja passou, continua inabalável. Esse olhar, que prende as lágrimas lá no fundo, e brilha, sempre que dá. E eu entendo quando não brilha, e você sorri, sem eu conseguir explicar como, e me diz que "tudo vai passar". E apesar de tudo que já te aconteceu, você continua acreditando. Em você, e no amanhã.
Você tem seus defeitos, mas eu também tenho os meus..Mas eu sei o quanto você me faz bem e é por isso que eu quero te fazer bem também.
É pelas suas quedas, suas perdas, seus traumas e medos, que você tem esse olhar. Esse sorriso. Esse jeito. Esse coração...
E por você ser assim, e eu achar que você já sofreu além do que merece, que eu vou ficar aqui, e não deixar nada mais te machucar, te magoar, te fazer sofrer ou chorar.
Ninguém mais vai te fazer mal, eu prometo.
Eu adoro te ver sorrir, te ver dançar, te ver cantar.
Seu jeito destrambelhado, suas manias, sua risada.
Adoro você dormindo, você sorrindo, fazendo birra, fazendo dengo.
Adoro você, como é. Exatamente assim.
Mas você quis me deixar claro o seu "lado negro da força" :p
Eu já conheço todos seus problemas. Ouvi todos eles.
E eu não recuei, nem vou.
Eu quero estar lá pra segurar sua mão, quando você tiver outra crise.
Quero cuidar de você, quando você sangrar.
Quando doer.
Quando ficar mal.
Eu quero te abraçar, quando você brigar com ela.
Eu quero te dar colo, quando você sentir saudades.
Quero ser seu abraço protetor, seu colo, seus olhos quando você tiver medo do que está por vir, seus pés, quando você tiver medo de continuar. Eu sempre vou estar lá, quando você quiser uma mão, um colo, um ouvido, um abraço.
Quero estar lá, sempre que você me quiser.
E você vai ver o amor, sempre que olhar pra mim.
Eu não vou nunca te virar as costas, nem vou desistir de você.
Eu só peço que você acredite em mim, por que eu te amo de verdade.
E por todos seus problemas, é que eu sou grato, que quero que você esqueça que eles existem e sinto o quanto você merece ser feliz, e eu quero cuidar pessoalmente disso.
Eu sei que você tá grandinha, e tá se virando bem sozinha, mas deixa eu estar do seu lado não pra ouvir que "tudo vai passar", mas sim que "tudo já passou".
Eu te amo, e obrigada por SER TUDO ISSO."

- Eu que agradeço ^^
.

Feriado perfeito, enquanto estive lúcida.
A pizza, os videos, o shopping, os presentes.
Histórias, risadas e uma paz bonita.
.

Ele me estendeu a mão, e eu ali.
Com as pernas tremendo, fechando os olhos com medo do que vem, segurando a mão apertado.

Acredita em anjo? Pois é, sou o seu
Soube que anda triste, que sente falta de alguém
Que não quer amar ninguém...

Por isso estou aqui: Vim cuidar de você!
Te proteger, te fazer sorrir. Te entender, te ouvir.
E quando tiver cansada cantar pra você dormir.

Te colocar sobre as minhas asas, te apresentar as estrelas do meu céu
Passar em Saturno e roubar o seu mais lindo anel.

Vou secar qualquer lágrima que ousar cair
Vou desviar todo mal do seu pensamento
Vou estar contigo a todo momento

Sem que você me veja vou fazer tudo que você deseja.

Mas, de repente você me beija: O coração dispara e a consciência sente dor
E eu descubro que além de anjo...eu posso ser seu amor..

Amanha um post sobre esse anjo, que tá me mostrando uma luz que eu não sabia que existia.

.

Dia dos namorados chegando.

TENSO!


sexta-feira, 28 de maio de 2010

Souza.

Minha mãe namorou um cara, por cerca de um ano.
Eu o adorava, sabe.
Ele tratava a nos duas muito bem, e fazia o tipinho homem perfeito.
Nessa epoca eu devia ter no maximo 12 anos.
Mas os dois terminaram, e chega a parte da historia que eu preciso colocar pra fora e jogar pro lixo de uma vez.
Era dia de feira escolar, e eu não tava a fim de ir..
Fiquei em casa..
O telefone tocou, e era o 'Souza'.
Pediu pra me encontrar no shopping, que tinha comprado alianças pra minha mae e ele se casarem, mas como eles tinham terminado, ele precisava da minha ajuda. Disse que era apaixonado por ela, estava com saudades, a faria a mulher mais feliz do mundo, e jogou baixissimo, afirmando que 'seria meu papai tambem'.
Não preciso responder que uma garota de 12 aninhos, que o pai tinha sumido há 2 anos não pensou nem duas vezes né.
Encontrei-o, lá.
Sentado, aparentemente indefeso.
Começou a me falar sobre sua ultima viagem.
Sobre as festas que tinha frequentado.
As bebidas, as praias, a viagem toodinha.
Ele estava sentado de frente pra mim.
E neste ponto, tirou sua bolsa da cadeira, e sentou na cadeira do meu lado.
Tirou do bolso, a carteira, e mostrou fotos de muitas, muitas meninas.
Acho que mais que umas dez..
E me perguntou se eu sabia o que eram.
Obviamente, eu não sabia.
Me falou que eram suas ex namoradas, e 'sabe, ele gostava muito de menininhas mais novas'.
Tá, eu tinha 12 anos, mas sabia perfeitamente o que viria a partir daí.
Minha cabeça foi a mil, e notei que não, nos nao falariamos da minha mae e dele.
Falariamos de mim e dele.
Tentei me levantar, e ele era um marinheiro de quase dois metros, troncudo, e me disse que não seria possivel sair dali ate que ele terminasse.
Ele me abraçou, e disse que já tinha namorado uma menina de 12 anos.
Sabe, 'muito parecida comigo'.
Branquinha, novinha, cabelos escuros, sorriso simpatico, inteligente e muito, muito bonita.
E apertava meus braços, enquanto eu tentava levantar.
O papo seguiu, ele falando, e eu tentando sair.
Não quero falar de como a história seguiu, tô tensa só de lembrar.
Mas, enfim olhei desesperada prum segurança, que veio saber se tudo estava bem.
Eu disse que não, e o segurança pediu pra ele 'parar de me abraçar com tanta força'.
Saí correndo, chorei horas no banheiro.
Quando saí, fui pegar um ônibus.
O tal Souza estava parado no ponto, me esperando.
Me empurrou pra dentro de um ônibus.
Me perdi, por umas duas horas.
Nunca tinha andado por aquele lugar, não o conhecia.
O motorista me apontou o onibus certo que eu deveria tomar, e eu voltei, pro colegio da minha mãe.
Contei tudo pra ela, e ela prometeu tomar cuidado quanto a seus proximos namorados.

Essa madrugada, ele acordou, fez xixi de porta aberta, andou de cueca pela casa e disse coisas desagradaveis.
Fez coisas desagradaveis.
Muito desagradaveis.
Senti nojo, raiva, vontade de socar.
Não quero nem pensar em descrever o que aconteceu, obg.
Chorei, mais algumas horas.
Sensação de ser incapaz de se defender.
Eles terminaram, amem.
Segundo Souza na minha vida, but beeeem mais tenso que o primeiro.
Mae, cuidado pra nao pintar o terceiro.

Aham, sei.



Quando eu era jovem eu vi meu pai chorar
E amaldiçoei o vento
Ele partiu seu próprio coração e eu assisti
Enquanto ele tentava o recompor


E a minha mãe jurou que ela nunca mais se deixaria esquecer
E foi nesse dia que eu prometi que eu nunca cantaria sobre amor
Se ele não existisse


Mas querido, você é a única exceção

Talvez eu saiba, em algum lugar no fundo da alma
Que o amor nunca dura e temos que arranjar outros meios
De seguir em frente sozinhos ou ficar com uma cara boa


E eu sempre vivi assim mantendo uma distância confortável
Até agora!
Eu tinha jurado a mim mesma que eu estava contente com a solidão


Porque nada disso algum dia valeu o risco, mas mas você é a única exceção


Eu tenho uma forte noção de realidade
Mas eu não consigo deixar o que está na minha frente
Eu sei que você está partindo

Quando você acordar de manhã me deixe uma prova de que não é um sonho
Você é a única exceção

E eu estou a caminho de acreditar.
Oh, e eu estou a caminho de acreditar...

-
A alguem que me fez promessas.
Planos, sonhos.
Acreditar em coisas que eu não queria, e nem podia.
Me fez sentir o que eu nunca me permiti.
Mas confiei, quando ele disse 'tira essa armadura, eu nunca vou te machucar'.
Pffff.
A minha unica exceção, que me fez ir contra mim mesma.
E hoje me dá seu silêncio.
Saudades de mim há quatro anos e alguns meses atrás.
Eu nunca teria te dado ouvidos, se soubesse que terminaria assim.
"Minha unica exceção".

Dona Baratinha



Mais um medo superado.
Estava eu, colocando meu pijaminha e pegando meu pinguinzinho pra dormir.
Minha mãe ja dormia ha horas com seu (amem) ex-namorado.
Cantarolava alguma coisa, acredito que Lady Gaga, já que estava bem animada às 3 e tantas.
De repente: o ser.
A criaturinha.
Ordem: Dictyoptera
Família: Blattidae
Nome científico: Periplaneta americana.
Havia uma porra de uma maldita barata no meu corredor.
Como meus amiguinhos já sabem, tô enfrentando uma infecção seria na traqueia.
Logo, estou febril (39, companheiros, 39), como sopinhas e mingaus, e sendo assim, tambem mal dá pra falar.
Tento dar um grito: nada sai!
E ela lá, estática, imóvel, paradinha no meio do corredor.
Fingi que corria pra cima dela.
Mas ela estava decididissima a não se mover.
Barata de personalidade forte essa.
Mais uma tentativa de pedido de socorro desesperado frustrada.
Minha garganta tá na merda. Mesmo!
Sentei no sofá, esperei..esperei..
Meu celular no quarto. Pensei ate em ligar pra mãe, vô, padrinho, bombeiros!
Daí, eu vejo a unica coisa que poderia me salvar.
E aquele filme maldito do Napoleon ja estava na terceira parte, quando eu vi uma luz no fim do tunel.
O chinelo.
Cara, eu nao mato baratas!
Pensei logo no que meu pai me disse.
Melhor enfrentar de uma vez, e acabar com isso.
Tentei mais uma vez correr pra cima dela, pra ver se ela se mexia.
Porra nenhuma!
Decidiu que o meio do corredor seria sua morada.
Mas nããão, não no que dependesse de mim.
Com odio nos olhos e medo nas mãos peguei meu chinelinho roxo e branco.
Meu companheiro, salvador da minha noite fria e solitaria.
Mirei, me posicionei em cima da cadeira, fechei os olhos.
.
.
.
Matei a porra da barata baby, agora ninguem mais me segura.
Sentimentos de auto-suficiência e poder aflorados! muahahaha!
Não se mete comigo, eu sou super perigosa e corajosa!
Se tiver uma por ai, na sua cozinha, banheiro, só chamar.
Quase o inset fone 2273-7373.
Falirão sabendo de todo meu sentimento de extermina-las do globo.
E gratuitamente, só por prazer (6)
Haaam!

Mais um medo morto.
E bom, mais uma barata tambem :)

quinta-feira, 27 de maio de 2010

rio!


Vivi a eternidade em dez dias.
E tô há dias tentando escrever qualquer coisinha sequer sobre a viagem.
Nada, nadinha sai.
Acho que é por que fiquei lá.
Ficou lá, a outra.
Desceu a nova.
Dez dias, lágrimas lavaram minha alma diariamente.
Voltei limpa. Pura.
Conversamos. Muito, por dias.
Choramos, muito, abraçados.
Mas era quando ele parava de falar, e me olhava calado, que eu entendia tudo o que ele queria dizer.
Hoje eu entendo e perdôo.
E digo, que se talvez eu fosse ele, tivesse feito a mesma coisa.
Me conheci, conhecendo ele.
Aprendi muitas coisas.
A que mais me marcou foi:
"Querida, quando você precisar de uma mãozinha..Você pode encontrar até duas..Olhe ao final de cada braço seu".
Disse que leu em algum lugar, fora a parte do querida, que é como me chama.
Querida, Princesa, Minha pequena.
Eu me basto, e não preciso de ninguém. Para nada.
Sensação de ser o suficiente para si.
Acho que toda a minha mudança se resumiu quando ao entrar no ônibus, ele chorou.
Muito.
Vê-lo sofrer, de alguma forma, me fez saber que tinha meu pai de volta.
E ele me disse, quando o ônibus saía: 'Papai te ama'.
Me ligou à noite: "É muita maldade você me apresentar uma filha incrível e tirar ela de mim em dez dias. Cadê meu chão? Ouvi em algum lugar: E agora o amanhã, cadê?"
Amanhã, eu tô de volta.
Eu te entendo, e perdôo.
Sinto tudo novo.
Plena: adj. 1. cheio; repleto. 2. Íntegro; inteiro; completo. 3. cabal; perfeito.
Ele, ela, eu.
O coração, o corpo, a alma.
Tudo.
Tô feliz.
SOU feliz.


"A tempestade me distrai
Gosto dos pingos de chuva
Dos relâmpagos e dos trovões
Hoje à tarde foi um dia bom
Saí pra caminhar com meu pai
Conversamos sobre coisas da vida
E tivemos um momento de paz
É de noite que tudo faz sentido
No silêncio eu não ouço meus gritos
E o que disserem...
Meu pai sempre esteve esperando por mim.
Estamos vivendo!
E o que disserem...
Os nossos dias serão para sempre"

terça-feira, 25 de maio de 2010

Fim.

Como pode ser gostar de alguém e esse tal alguém não ser seu
Fico desejando nós gastando o mar...Pôr do Sol, postal, mais ninguém
Peço tanto a Deus para esquecer
Mas só de pedir me lembro
Minha linda flor, Meu jasmim será
Meus melhores beijos serão seus
Sinto que você é ligado a mim...Sempre que estou indo, volto atrás
Estou entregue a ponto de estar sempre só esperando um sim ou nunca mais
É tanta graça lá fora passa o tempo sem você
Mas pode sim ser sim amado e tudo acontecer
Sinto absoluto o dom de existir, não há solidão, nem pena
Nessa doação, milagres do amor..Sinto uma extensão divina
É tanta graça lá fora passa o tempo sem você
Mas pode sim ser sim amado e tudo acontecer
Quero dançar com você, dançar com você...
Quero dançar com você, dançar com você...

E ele disse: "Ainda bem que eu tenho você...Dói tanto escutar isso longe..Nem imagino se eu não tivesse você"
E me abraçou. E dançamos.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Coração.



"E você, meu amigo homem de lata! Você quer um coração?! Você não sabe o quão sortudo é por não ter um. Corações nunca serão práticos enquanto não forem feitos para não se partirem ..."

Completando:

Eu respiro tentando encher os pulmões de vida mas ainda é difícil deixar qualquer luz entrar
Ainda sinto por dentro toda a dor dessa ferida mas o pior é pensar que isso um dia vai cicatrizar
Eu queria manter cada corte em carne viva, a minha dor em eterna exposição
(...)
Eu já ouvi 50 receitas pra te esquecer que só me lembram que nada vai resolver
Porque tudo, tudo me traz você e eu já não tenho pra onde correr
O que me dá raiva não é o que você fez de errado, nem seus muitos defeitos, nem você ter me deixado
(...)
O que me dá raiva são as flores e os dias de Sol
São os seus beijos e o que eu tinha sonhado pra nós
São seus olhos e mãos e seu abraço protetor
É o que vai me faltar
O que fazer do meu amor?

Respondo:
E numa batida mais forte da percussão, num rodopio, girando juntos, ela pediu: - Deixa eu cuidar de você. Ele disse: - Deixo...

O ridículo é que só no chão você percebe que caiu. Então é tarde demais.
Não tenho mais nada a perder. Não sabia que o mundo era assim duro, assim sujo. Agora sei.
Me virei sozinho. Isso me endureceu um pouco mais. Me virei sozinho com enormes dificuldades.
Andei amando loucamente, como há muito tempo não acontecia. De repente a coisa começou a desacontecer.
Bebi, chorei, ouvi Maria Bethânia, fumei demais, tive insônia e excesso de sono, falta de apetite e apetite em excesso, vaguei pelas madrugadas, escrevi poemas (juro). Agora está passando: um band-aid no coração, um sorriso nos lábios – e tudo bem. Ou: que se há de fazer.
Não te preocupa. O que acontece é sempre natural — se a gente tiver que se encontrar, aqui ou na China, a gente se encontra.
Fiquei. Você sabe que eu fiquei. E que ficaria até o fim, até o fundo....
Esse lixo espalhado pela casa são os nossos sonhos usados, gastos, perdidos.
E fui cuidar do que restava, que é sempre o que se deve fazer.
Quando não se tem mais nada a perder, só se tem a ganhar.
Tudo passará um dia, quem sabe tão de repente quanto veio, ou lentamente, não importa.
Não se preocupe, não vou tomar nenhuma medida drástica, a não ser continuar, tem coisa mais auto destrutiva do que insistir sem fé nenhuma?
Tento me concentrar numa daquelas sensações antigas como alegria ou fé ou esperança.
Queria consultar búzios, runas, pai, mãe, de santo ou não, qualquer coisa que me APONTASSE O RUMO.
Repito sempre: sossega, sossega - o amor não é para o teu bico.
Desta vez, eu tinha tanta certeza. E penso: os deuses me traíram, os búzios me atraiçoaram, as cartas me mentiram.
Não finja que os-problemas-foram-superados-e-tudo-está-num-ótimo-astral.
Inconscientemente, parecia querer buscar em autores, filmes e músicas, algum tipo de consolo.
E descobri que somos muitíssimo mais capazes de suportar a dor do que supomos.
Ninguém sabe como, mas aos poucos fomos aprendendo sobre a continuidade da vida, das pessoas e das coisas. Já não tentamos o suicídio nem cometemos gestos tresloucados. Alguns, sim - nós, não. Contidamente, continuamos.E substituímos expressões fatais como ‘não resistirei’ por outras mais mansas, como 'sei que vai passar'. Esse é o nosso jeito de continuar, o mais eficiente e também o mais cômodo, porque não implica em decisões, apenas em paciência. Mas gosto de perceber que as dores são cada vez mais rapidamente superadas.Ou então visto minhas calças vermelhas e procuro uma festa onde possa dançar rock até cair...
Vai passar, tu sabes que vai passar. Talvez não amanhã, mas dentro de uma semana, um mês ou dois, quem sabe?
Mas de tudo isso, me ficaram coisas tão boas... Uma lembrança boa de você, uma vontade de cuidar melhor de mim, de ser melhor para mim e para os outros. De não morrer, de não sufocar, de continuar sentindo encantamento por alguma outra pessoa que o futuro trará, porque sempre traz, e então não repetir nenhum comportamento.
Ser novo.
Ando bem, mas um pouco aos trancos. Como costumo dizer, um dia de salto 7, outro de sandália havaiana.
Ou talvez eu só precise de férias, um porre e um novo amor.
Tenho tentado aprender a ser humilde. A engolir o nãos que a vida te enfia goela abaixo. A lamber o chão dos palácios. A me sentir desprezado-como-um-cão, e tudo bem, acordar, escovar os dentes, tomar café e continuar.
Te desejo uma fé enorme, em qualquer coisa, não importa o quê, como aquela fé que a gente teve um dia, me deseja também uma coisa bem bonita, uma coisa qualquer maravilhosa, que me faça acreditar em tudo de novo, que nos faça acreditar em tudo outra vez.
Doía.
Continua doendo.
Ainda não acabou.
Passa, passará.
Amor é falta de QI, tenho cada vez mais certeza.




Strawberry Fields Forever


João Roberto era o maioral: O nosso Johnny era um cara legal

Ele tinha um Opala metálico azul
Era o rei dos pegas na Asa Sul
E em todo lugar
Quando ele pegava no violão
Conquistava as meninas
E quem mais quisesse ter
Sabia tudo da Janis
Do Led Zeppelin, dos Beatles e dos Rolling Stones
Mas de uns tempos prá cá
Meio sem querer
Alguma coisa aconteceu
Johnny andava meio quieto demais
Só que quase ninguém percebeu
Johnny estava com um sorriso estranho
Quando marcou um super pega no fim de semana
Não vai ser no CASEB
Nem no Lago Norte, nem na UnB
As máquinas prontas
Um ronco de motor
A cidade inteira se movimentou
E Johnny disse:
"- Eu vou prá curva do Diabo em Sobradinho e vocês ?"
E os motores sairam ligados a mil
Prá estrada da morte o maior pega que existiu
Só deu para ouvir, foi aquela explosão
E os pedaços do Opala azul de Johnny pelo chão
No dia seguinte, falou o diretor:
"- O aluno João Roberto não está mais entre nós
Ele só tinha dezesseis.
Que isso sirva de aviso prá vocês".
E na saída da aula, foi estranho e bonito
Todo o mundo cantando baixinho:

Strawberry Fields Forever
Strawberry Fields Forever

E até hoje, quem se lembra
Diz que: "Não foi o caminhão"
Nem a curva fatal
E nem a explosão
Johnny era fera demais
Prá vacilar assim
E o que dizem é que foi tudo
Por causa de um coração partido
Um coração

Bye, bye Johnny
Johnny, bye, bye
Bye, bye Johnny.

rio!

Tudo o que posso ser para você é aquela escuridão que já conhecemos
Com esse arrependimento me acostumei
Era tudo ótimo quando estávamos no auge
Eu esperava por você no hotel toda noite
Eu sabia que não tinha o par ideal
Mas a gente se via sempre que podia
Não sei por que me apeguei tanto
A responsabilidade é minha
Você não me deve nada
Mas não sou capaz de ir embora

Quando ele vai embora,
O sol se põe,
Ele leva o dia embora,

Mas sou crescidinha,
E do seu jeito,
Neste tom triste
As minhas lágrimas secam sozinhas


Eu não entendo por que estresso um homem
Quando há coisas tão mais importantes
Poderíamos não ter tido nada
Tínhamos que bater num muro
Por isso o afastamento é inevitável
Mesmo se eu deixasse de querer você
Uma perspectiva verdadeira
Eu serei a mulher de outro cara em breve
Eu não deveria cair nessa de novo
Eu tinha que ser a minha melhor amiga
E não ficar louca por causa de caras idiotas

Quando ele vai embora,
O sol se põe,
Ele leva o dia embora,
Mas sou crescidinha,
E do seu jeito,
Neste tom triste
As minhas lágrimas secam sozinhas
Nosso romance acabou
A sua sombra me cobre
O céu é uma chama
Quando ele vai embora,
O sol se põe,
Ele leva o dia embora,
Mas sou crescidinha,
E do seu jeito,
Neste tom triste
As minhas lágrimas secam sozinhas

Gostaria de dizer que não me arrependo
Que não há divídas emocionais
Porque, quando a gente se despede, o sol se põe
Nosso romance acabou
A sua sombra me cobre
O céu é uma chama
Que só os amantes vêem

*

Uma vez, numa situaçao na casa da vó, tentando aconselhar uma prima, ele disse:
"Quando um cara ama de uma mulher de verdade, não existe essa história de não ter tempo. De não poder. De querer ficar sozinho, sem as burocracias do namoro. Quando ele vem com essa é por que não gosta mais de você, e tá usando essas desculpas. Quando ama, quer ficar perto, do lado, quer ela pra ele. Homem que é homem, quando ama uma mulher faz o que for pra ficar com ela. Se ele tá usando dessas desculpas, cai fora que ele não te ama de verdade."


Mas sou crescidinha,
E do seu jeito,
Neste tom triste
As minhas lágrimas secam sozinhas

Ponto final.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

fui.

'até amanha, pai'. desliguei.
tô indo, e levando em cada pedacinho de mim você inteiro.

'Os olhos mentem dia e noite a dor da gente
Enquanto houver você do outro lado aqui do outro eu consigo me orientar...
A cena repete a cena se inverte
enchendo a minha alma daquilo que outrora eu deixei de acreditar...
Tua palavra, tua história, tua verdade fazendo escola e tua ausência fazendo silêncio em todo lugar
Metade de mim agora é assim
De um lado a poesia o verbo a saudade
Do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim
E o fim é belo incerto... depende de como você vê
O novo, o credo, a fé que você deposita em você e só

Só enquanto eu respirar Vou me lembrar de você
Só enquanto eu respirar..'

Cantei pra mim, pra ele, e pra ele.

já sinto sua falta.
'boa noite, dorme com deus, sonha com os anjos, te amo muito e te amo pra sempre' meu anjo mais velho.
:)


terça-feira, 11 de maio de 2010

Redigindo.


Ponto final.
Páragrafo.
Letra maiúscula, introduz o texto.
Aqui é o espaço onde você desenvolve a história.
Há a abertura, você vai explicar o que vai acontecer.
Há o desenvolvimento da ideia, é onde os fatos ocorrem e toda a história acontece.
Aí vem a conclusão, desfecho, encerramento.
Dúvida: ponto final ou reticências?
Depende exatamente do desenvolvimento da história.
Escrevo em São Paulo, e na volta ao Rio, a gente lê.

Metaforicamente falando, espero que tenha entendido.

Amanhã posto novidades!

domingo, 9 de maio de 2010

eu te amaria para sempre.

* Qualquer semelhança (nome / cabelo ) é mera coincidencia! hahahaha

"Dan: E se você ainda ama a pessoa?
Alice: Você não deixa!
Dan: Você nunca deixou alguém que amasse?
Alice: Não.
Alice: É o único jeito de deixar "Não te amo mais, tchau!"
Dan: E se você ainda ama a pessoa?
Alice: Você não deixa!
Dan: Você nunca deixou alguém que amasse?
Alice: Não.

Dan: Eu odeio te machucar!"
Alice: Então porque você machuca!?"
-Dialogo de Closer.

Tô fazendo quase que uma terapia estudando esse filme ;)
Queria agradecer seu cuidado, preocupação, atenção comigo ontem à noite.
Fez muita, muita diferença.
Minha vida meio que tomou seu rumo depois que te ouvi.
Sabe que por algumas (e admito que muitas) horas, eu pensei em ficar por você?
Acho que do Rio, é uma das coisas das quais mais vou sentir falta.
Na despedida espero poder levar um pedacinho de voce comigo ^^

Meu dia das mães foi tão, tão triste.
Perdi uma filha ha uma semana.
Que falta que a Pretinha faz...
Pelo menos, a vejo andando pela casa, latindo, derrubando os objetos.
A vejo invadindo a casa, pulando na cama pra me acordar.
Saudade de você me olhando, meu amor..
Mal fiquei com minha mãe, o namorado dela tá aqui.
Mas serviu, 'psicologia para não psicologos'.
Tô estudando bastante pra isso parar de latejar.
Mas como dizem..quanto mais as feridas latejam nos dias de chuva, mais você sabe que doeu.
Ou dói. DOEU: melhor. ? .

"Tanto faz, tudo bem, nunca mais amo alguém. Saia já do meu jardim!
Tanto faz outra vez, quero paz e vocês?"

Sabe que, mesmo na marra, deixei de acreditar em contos de fadas?
Pelo telefone, tive certeza de que não era 'a princesa' da minha história.
Eu sou problema, não solução.
Na minha bagagem, eu tenho traumas, medos, desilusões, doenças, um corpo fraco.
Tenho endometriose, epilepsia, hipoglicemia, hemorragia, vomito sangue, vou constantemente fazer exames e exames, tomar soro, injeçoes, perder muito sangue, desmaiar seja por dor da crise, ou dor da cabeça mesmo..
Tenho problemas com minha mãe, com meu pai, com meus avós, com meus amigos.
E agora fui obrigada a aceitar isso, o que eu deduzo que seja encarar seus problemas, e aprender a lidar com eles.
E é por isso que eu tô arrumando outra bagagem.
Já decidi a mala que comprar, não sei quanto tempo vou me demorar.
Decidi me cuidar, me resolver, me entender, e aceitar.
Com isso tudo, fiquei com uma raiva enlouquecida da Disney.
Não gata, não vai rolar um príncipe, não pra voce!
Talvez se você só tivesse uma madrasta má...Mas você tem beem mais que isso nao é? ;)
E sabe que eu cheguei a acreditar nessa palhaçada toda?
Aos namorados, noivos, casados que me desculpem.
Mas não dá, perdi a fé no amor. Nao acredito mais, e prefiro que seja assim.
Como o filme diz 'só amor não basta'.
Talvez até role um castelo lá em Sampa, com um sol forte e se eu gostar dos passarinhos cantando lá fora..eu vou ficando.
Mas que qualquer especie de principe mantenha-se longe. A kilometros!
Como sempre foi, voltou a ser. Voltei a ser.
Maldita hora que você me disse 'tira essa armadura, deixa eu cuidar de você' pelo telefone.
"Tô cansada de construir e demolir fantasias. Não quero me encantar com ninguém"
Hoje, volto a vestir a tal armadura.
Tô pronta pra batalha, de novo.
Tô indo buscar esse maldito 'final feliz', sem depender de mais ninguém.
Cresci, amor.
Tô indo bater de frente com todos meus medos.
Minha armadura tá muito mais cascuda do que há quatro, cinco anos atrás.
Nada, nem ninguém atravessa ela mais.
Todo mundo quer saber se eu choro.
Não.
Não na frente de ninguém...

"Te vejo errando e isso não é pecado, exceto quando faz outra pessoa sangrar,
Te vejo sonhando e isso dá medo, perdido num mundo que não dá pra entrar
Você está saindo da minha vida e parece que vai demorar
Se não souber voltar,
ao menos mande notícias você acha que eu sou louca Mas tudo vai se encaixar...
Tô aproveitando cada segundo antes que isso aqui vire uma tragédia...
E não adianta nem me procurar em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo só você não viu
Você tá sempre indo e vindo, tudo bem!
Dessa vez eu já vesti minha armadura e mesmo que nada funcione eu estarei de pé, de queixo erguido
Depois você me vê vermelha e acha graça mas eu não ficaria bem na sua estante
Só por hoje não quero mais te ver, só por hoje não vou tomar minha dose de você
Cansei de chorar feridas que não se fecham, não se curam e essa abstinência uma hora vai passar
"

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Pela Toca do Coelho



Para baixo, para baixo, para baixo. Essa queda nunca chegará ao fim?

Alice não estava nem um pouco machucada, e pôde saltar sobre os pés num instante: olhou para cima mas estava tudo escuro sobre sua cabeça, diante dela havia outro grande túnel e o Coelho Branco ainda estava à vista, apressado.



Não havia nenhum momento a perder! lá se foi Alice como vento, exatamente a tempo de ouvi-lo dizer, quando virara a esquina: "Oh! minhas orelhas e minhas vibrissas, como está ficando tarde!"

Havia portas por toda a volta do aposento, mas estavam todas trancadas, e depois que Alice percorreu uma a uma, tentando cada porta sem sucesso, ela voltou tristemente para o centro do quarto, pensando sobre como sairia daquela.

De repente, encontrou uma pequena mesa de três pés, toda feita em vidro sólido: não havia nada sobre ela senão uma minúscula chave dourada e a primeira idéia de Alice foi de que ela deveria pertencer a uma das portas da sala; "mas, ai de mim!, ou as fechaduras são muito grandes ou a chave muito pequena, mas de qualquer maneira não iria abrir nenhuma das portas." Entretanto, na segunda tentativa, Alice encontrou uma cortina que não havia percebido antes, e atrás dela existia uma pequena porta de aproximadamente 40 centímetros: a menina colocou a pequena chave dourada na fechadura e, para seu grande prazer, ela encaixou!

Alice abriu a porta e viu que dava para uma pequena passagem, não muito maior que um buraco de rato: ela ajoelhou-se e avistou o mais adorável jardim que jamais vira. Como ela gostaria de sair daquela sala escura e passear por entre aqueles canteiros de flores viçosas e aquelas fontes geladas...mas ela nem mesmo conseguiria fazer passar sua cabeça pela porta; "e mesmo que a minha cabeça passasse", pensou a pobre Alice, "teria pouca utilidade sem meus ombros. Oh! como eu desejo poder encolher como um telescópio. Eu acho que poderia, se ao menos soubesse como começar."

Vejam só, tantas coisas estranhas tinham acontecido ultimamente que Alice começara a pensar que muito poucas coisas eram na verdade realmente impossíveis.

Não havia muito sentido em ficar esperando ao lado da portinha e então Alice voltou em direção à mesa, com esperança de poder encontrar outra chave sobre ela ou, quem sabe, um livro de regras para ensinar as pessoas a encolherem como telescópios: desta vez ela encontrou uma pequena garrafa sobre ela ("que certamente não estava sobre aqui antes", disse Alice) e amarrada ao redor do gargalo estava uma etiqueta com as palavras "BEBA-ME" lindamente impressa em palavras grandes.

Tudo bem dizer "BEBA-ME", mas a sábia Alice não ia fazer aquilo apressadamente. "Não, eu vou olhar primeiro", disse ela, "e ver se está marcado veneno ou não; Alice já lera muitas lindas histórias sobre criancinhas queimadas ou engolidas por feras selvagens e outras coisas desagradáveis, tudo porque não tinham lembrado das regras simples que seus amigos falavam para elas. Por exemplo: um atiçador de lareira pode queimá-lo se você segurar por muito tempo, ou, se você cortar seu dedo muito fundo com uma faca, geralmente sangra; e ela nunca esquecera aquela: se você beber de uma garrafa que diz "veneno" é quase certo que isso irá prejudicá-lo, cedo ou tarde.

Entretanto, esta garrafa não tinha gravado "veneno", daí, Alice aventurou-se a experimentá-la e, achando o sabor muito gostoso ( o conteúdo tinha, de fato, um tipo de mistura de torta de cereja, creme de ovos, leite e açúcar, abacaxi, peru assado, toffy e torradas quentes), ela bem rápido acabou com ele.

"Que sensação estranha", disse Alice. "Eu devo estar encolhendo como um telescópio!"

E daí era fato, ela estava agora com apenas 25 centímetros de altura, e seu rosto resplandeceu ao pensar que aquele era o tamanho exato para atavessar a portinha em direção ao adorável jardim. Primeiro, entretanto, ela esperou alguns minutos para ver se ainda iria encolher: ela sentiu-se um pouco nervosa em relação ao fato "porque isso pode resultar, você sabe", disse Alice para si mesma, "em eu sumir como uma vela". A menina ficou pensando como seria, tentando imaginar como a chama de uma vela se parece depois que a vela acaba e ela não conseguiu lembrar de ter visto alguma vez algo assim.

Afinal, achando que nada mais aconteceria, ela decidiu-se a entrar no jardim, mas, pobre Alice! quando ela chegou na porta, lembrou-se que tinha esquecido a pequena chave dourada, e quando voltou até à mesa, percebeu que não era possível pegá-la: Alice podia avistá-la através do vidro e tentou o máximo possível para escalar uma das pernas da mesa, mas era muito escorregadia; e quando desistiu, a pobrezinha sentou-se e chorou.

"Vamos, não há razão para chorar assim", disse Alice. Eu lhe aconselho deixar isso pra lá neste minuto." Normalmente ela se dava bons conselhos (embora raramente os seguisse) e às vezes repreendia-se tão severamente que chegava a ficar com lágrimas nos olhos, e uma vez ainda lembrava-se de ter tentado boxear suas próprias orelhas por ter trapaceado consigo mesma em um jogo de críquete que jogava com ela mesma, pois essa curiosa criança gostava de fingir ser duas pessoas.

"Mas não adianta agora", pensou a pobre Alice,"querer ser duas pessoas! Porque é suficientemente difícil para mim ser uma pessoa respeitável."

Logo seu olho caiu sobre uma pequena caixa de vidro que jazia sob a mesa: ela abriu-a e encontrou um pequeno bolo, no qual a palavra "COMA-ME" era lindamente inscrito. "Bem, eu vou comê-lo", pensou Alice, "e se isso me fizer crescer eu posso pegar a chave; se ele me tornar muito pequena eu passo por baixo da porta. Então, de qualquer maneira, eu vou para o jardim e não me importa o que acontecer!"

Alice comeu um pedacinho e disse ansiosamente para si mesma."E agora? E agora?", colocando a mão no topo da cabeça para sentir se estava crescendo. Ela ficou surpresa ao perceber que permanecera do mesmo tamanho. Para falar a verdade, é isso o que normalmente acontece quando se come um bolo, mas Alice já estava acostumada a não esperar nada senão coisas extraordinárias acontecendo, que as coisas acontecerem de uma maneira normal parececia chatisse.

Então, ela pôs mãos à obra e muito rapidamente acabou com o bolo.